Resenha do filme: Fast Five (2011)

 Carros velozes – confira. Meninas bonitas – confira. Desrespeito flagrante pela realidade – confira. Todos os elementos essenciais para um filme Velozes e Furiosos estão presentes em Fast Five e, na forma típica de sequência, uma tentativa de superar o antecessor também tem prioridade.

 Aqui, a solução se manifesta como um aumento na violência e na estranheza das acrobacias dos carros, além da inclusão de um roubo no estilo Ocean’s 11 e do arrogante agente federal de Dwayne Johnson, Hobbs. O escapismo funciona graças a expectativas reduzidas e criadores inteligentes sintonizados com os desejos dos fãs, embora não importa o quão massivas sejam as batidas de carro, emocionantes os tiroteios ou o título truncado, ainda é apenas mais uma adição estúpida à franquia Velozes e Furiosos.

Após uma angustiante fuga do ônibus da prisão, Dominic Toretto (Vin Diesel), Brian O’Connor (Paul Walker) e Mia Toretto (Jordanna Brewster) fogem para o Rio de Janeiro, onde não demora muito para que se envolvam em mais um roubo de drogas. -fim de carros de corrida (sim, os protagonistas são todos criminosos procurados).



 Quando o trabalho dá errado e três agentes da DEA são mortos, o trio se vê caçado tanto por um impiedoso chefão do tráfico (Joaquim de Almeida) quanto por um obstinado agente federal (Dwayne Johnson). Com suas opções diminuindo e o tempo se esgotando, Dominic e Brian reúnem uma equipe de bandidos de elite, incluindo Roman (Tyrese Gibson), Tej (Chris “Ludacris” Bridges), Han (Sung Kang) e Gisele (Gal Gadot) para encenar um roubo contra o senhor do crime no valor de US $ 100 milhões.

Dwayne Johnson consegue a única palavra com “F” em Fast Five, jorrando descaradamente em um frenesi machista. É apropriado que ele tenha dado todos os diálogos mais engraçados, já que ele é o único ator que se diverte genuinamente. “The Rock” pensa que está em uma comédia, enquanto todo mundo acredita que as situações são sérias, de vida ou morte, e intensas de ranger de dentes. Ele devora todas as cenas em que está e ajuda a mastigar o cenário com enorme poder de fogo. E uma vez que a barreira do idioma PG-13 é atingida, a violência deve ser atenuada, garantindo que durante os momentos iniciais, em que um ônibus capota uma dúzia de vezes e é esmagado irreconhecível, um repórter narra como, surpreendentemente, nenhum dos 30 presos a bordo foram mortos.

A partir daqui, recebemos todos os componentes básicos de um filme Velozes e Furiosos, de motores de rotação amplificada a pneus que batem poeira/queimam asfalto, close-ups de kits de elevadores e rodas roncadoras, corridas de rua, midriffs. Ligado à fórmula genérica está o novo e incrivelmente complexo esquema de assalto, junto com o corrupto oficial brasileiro e seus momentos obrigatórios de demonstração de sua maldade, especialmente em relação a seus capangas. Com toda a atenção dada a carros legais, corpos sensuais e sequências de perseguição cheias de ação, é hilário que devamos nos importar com os personagens, todos invencíveis na linha de fogo, mas pé no chão quando eles falam do passado, entes queridos perdidos, laços familiares, fuga da lei e relacionamentos atuais.

Fast Five usa muitas legendas e apresenta um método elegante para entregá-las (elas deslizam para fora da tela como um veículo em alta velocidade). E enquanto se preocupa em manter um visual arrojado e moderno, esquece de dar explicações sobre onde todos conseguiram as quantias ridículas de dinheiro e tecnologia necessárias para planejar o assalto, por que o Rio fica completamente sem policiais durante o final, por que ninguém denuncia todos os carros de polícia roubados, ou qual é a história de fundo de qualquer um dos personagens, a maioria dos quais esteve nos quatro filmes anteriores (não que importe o que exatamente aconteceu nos outros filmes). O que é bastante divertido, no entanto, é a grande quantidade de tiroteios, brigas, explosões, acrobacias e destruição em massa envolvidos em todas as cenas de ação catastróficas, que misturam alucinantemente acrobacias com carros de corrida em CG para criar um cenário incrivelmente infernal e altamente frenético. ataque visual de metal amassado e tubos de escape cuspindo chamas. Fique até o final dos créditos para uma cena extra que garante um Velozes e Furiosos Parte 6 (nossa aposta é no título “Furious Six”).

– Os gêmeos Massie (http://GoneWithTheTwins.com)

Por Joel Massie

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ferrari 348 TB e TS Sports Car

Vantagem de obter uma caminhonete Dodge Ram

Modificação de carro – Modificando seu carro – uma tendência global